quarta-feira, 5 de maio de 2010

Dar fruto a seu tempo


Meditações sobre os salmos, Sl 1

«Feliz do homem que [...] medita na Lei dia e noite. É como uma árvore plantada à beira das correntes, que dá o seu fruto na estação própria» (Sl 1, 1-3). Meu Deus, vós dizeis-me que eu serei feliz, feliz com a verdadeira
felicidade, feliz no último dia [...], que, por mais miserável que seja, sou uma palmeira plantada à beira das águas vivas, das águas vivas da vontade divina, do amor divino, da graça [...], e que darei o meu fruto a seu tempo. Dignai-Vos consolar-me; sinto-me sem fruto, sinto-me sem boas obras, digo a mim próprio: converti-me há onze anos, e que tenho feito? O que foram as obras dos santos e quais são as minhas? Vejo-me de mãos vazias dbem.

Dignai-Vos consolar-me: «Tu darás fruto no teu tempo», dizeis-me. [...]
Qual é esse tempo? O tempo de todos nós é o dia do juízo final; e Vós
prometeis-me que, se persistir na boa vontade e no combate, por mais pobre
que me veja, terei frutos nessa hora derradeira.
          Bem-aventurado Charles de Foucauld (1858-1916), eremita e missionário no Sahara

Nenhum comentário: