sábado, 28 de agosto de 2010

Livros das Confissões, de Santo Agostinho, bispo



 (Lib. 7,10.18;10,27: CSEL 33,157-163.255) (Séc.V)

Ó eterna verdade e verdadeira caridade e cara eternidade!
Instigado a voltar a mim mesmo, entrei em meu íntimo, sob tua guia e o consegui, porque tu te
fizeste meu auxílio (cf. Sl 29,11). Entrei e com certo olhar da alma, acima do olhar comum da
alma, acima de minha mente, vi a luz imutável. Não era como a luz terena e evidente para todo
ser humano. Diria muito pouco se afirmasse que era apenas uma luz muito, muito mais
brilhante do que a comum, ou tão intensa que penetrava todas as coisas. Não era assim, mas
outra coisa, inteiramente diferente de tudo isto. Também não estava acima de minha mente
como óleo sobre a água nem como o céu sobre a terra, mas mais alta, porque ela me fez, e eu,
mais baixo, porque feito por ela. Quem conhece a verdade, conhece esta luz.
Ó eterna verdade e verdadeira caridade e cara eternidade! Tu és o meu Deus, por ti suspiro dia e noite. Desde que te conheci, tu me elevaste para ver que quem eu via, era, e eu, que via, ainda
não era. E reverberaste sobre a mesquinhez de minha pessoa, irradiando sobre mim com toda a força. E eu tremia de amor e de horror. Vi-me longe de ti, no país da dessemelhança, como que ouvindo tua voz lá do alto: “Eu sou o alimento dos grandes. Cresce e me comerás. Não me
mudarás em ti como o alimento de teu corpo, mas tu te mudarás em mim”.
E eu procurava o meio de obter forças, para tornar-me idôneo a te degustar e não o encontrava até que abracei o mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus (1Tm 2,5), que é
Deus acima de tudo, bendito pelos séculos (Rm 9,5). Ele me chamava e dizia: Eu sou o
caminho, a verdade e a vida (Jo 14,6). E o alimento que eu não era capaz de tomar se uniu à
minha carne, pois o Verbo se fez carne (Jo 1,14), para dar à nossa infância o leite de tua
sabedoria, pela qual tudo criaste.
Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! Eis que estavas dentro e eu, fora. E aí te procurava e lançava-me nada belo ante a beleza que tu criaste. Estavas comigo e eu não
contigo. Seguravam-me longe de ti as coisas que não existiriam, se não existissem em ti.
Chamaste, clamaste e rompeste minha surdez, brilhaste, resplandeceste e afugentaste minha
cegueira. Exalaste perfume e respirei. Agora anelo por ti. Provei-te, e tenho fome e sede.
Tocaste-me e ardi por tua paz.



Nenhum comentário: