sábado, 4 de setembro de 2010

A estima pelo Sacramento da Confirmação.




Apesar das evidentes tentativas de renovação, feitas depois do Concílio, devemos reconhecer que o Sacrametno da Conformação esta em crise.

Quantos batizados chegam a crismar-se? Quantos traduzem na própria vida a graça misteriosamente recebida neste sacramento? Para muitos jovens, ele significa uma simples "conclusão" de sua formação religiosa, ou seja, o início do seu afastamento da Igreja...Será que é pra isto que alguns recebem este Sacramento?...mas

Na verdade é o que vemos, pois poucos são os jovens que permancem na Igreja e se coloca a serviço no crescimento e divulgação do Evangelho.
Antes de mais nada devemos reavivar em nós a conciência do significado deste sacramento na vida cristã, muitas vezes nem mesmo o próprio catequista sabe o significado profundo deste sacramento, e isto é muito triste. Este é um do tres sacramentos básicos de iniciação cristã: Batismo, Confirmação,

Eucaritia
. Esses três formam uma certa unidade e são destinados a todos os cristãos, para fazer chegar a uma idade madura em Cristo.

A confirmação não é uma simples ratificação como muitos pensam, do Batismo. É sim uma nova efusão do Espírito Santo, que leva a vida cristã ao seu completo desabrochar. Desenvolvimento este que não consiste meramente em fazer germinar a semente batismal, mas tende a fortalecer o cristão face às dificuldades que se opõem à realização do "projeto da vida cristã" e a fazê-lo sentir-se membro responsável do corpo da Igreja.

De fato, o batizado que recebe este sacramento deve conseguir a maturidade suficiente para considerar-se membro ativo da comunidade eclesial e, ao mesmo tempo, capaz de construir o Reino de Deus no seio deste mundo. Tarefa nada fácil, por causa das perseguições públicas contra a Igreja e do ambiente de incredulidade, sensualidade, consumismo e egoismo em sua múltiplas formas nas quais ele se vê envolvido na sociedade hodierna; quando não se trata da atração para outras religiões cristãs ou não-cristãs, ou de um ateísmo prático ou militante. Para enfrentar tudo isso, não é preciso pouca força de alma, é necessário despojar-se e será que entendemos isto??...bom o é um

Motivo a mais para que as nossas preces se dirijam, outrossim, para que haja uma preparação adequada à recepção deste sacramento. O sujeito da confirmação pode ser um jovem ou um adulto; mas sempre se supõe na Igreja Romana uma pessoa consciente do sacramento e capaz de uma catequese, salvo casos excepcionais.

Esta preparação não consiste simplesmente numa repetição da doutrina cristã. Deve ser, antes, um progresso na verdadeira formação na fé e uma autêntica experiência de vida cristã, em clima de oração.
Esta formação dos confirmandos, especialmente em se tratando de jovens adolescentes, só se conseguira normalmente quando a comunidade cristã que os acolhe for verdadeiramente consciente do seu papel. Daí a importância de pedir para que esta comunidade se sinta suficientemente sensibilizada e seja acolhedora no desempenho de sua missão.

Muito importante é notar que a confirmação introduz o cristão num estado sobrenatural indelével para a vida inteira. Portanto, é de suma importância pedir pelos que já são confirmados: pois eles esquecem frequentemente deste sacramento que imprimiu neles um sinete eterno. Os teólogos chamam isto de "caráter": um sinal que nunca desaparece, como acontece com o batismo e a ordenação sacerdotal. Por isso a Igreja não permite que eles sejam reiterados: isto jamais seria necessário. E entretanto acontece infelizmente que o Espírito Santo se torne o grande esquecido na vida dos cristãos, assim como tanta gente se esquece que tem uma alma imortal.

Consequencia deste esquecimento é que a graça deste sacramento, como a da fé, esperança e caridade, pode ir enfraquecendo e se extinguindo, por não ser cultivada. Devemos tomar consciência de que o Espírito Santo, ao apossar-se da alma, vem sempre acompanhado por Sete dons preciosos:
a Sabedoria e a Inteligência; o Conselho e a Fortaleza; a Cíência e a Piedade; o Temor de Deus, que é uma amorosa reverência para com o Senhor presente em nós. O que fazemos nós com desses talentos recebidos? Todos eles nos devem fazer viver em toda a sua punjança a nossa vida de membros da Igreja. Devem fazer com que sejamos realmente a luz do mundo, pelo nosso exemplo de coerência cristã.

Oxalá a vivência da confirmação pelos cristãos faça reviver na Igreja a explosão de fervor que caracterizou os seus primórdios com a vinda do Espírito Santo no Pentecostes inicial.

E importante diante dos fatos atuais, é que todos aqueles que se dispõem a ser Catequista, que o seja sempre, apesar das dificuldades que se encontra em formações e realizações. Muitos, tanto quanto catequizandos e Catequistas desistem por falta de apoio e compreenção dos dirigentes, da comunidade. É sim importante nunca esquecer do que foi dito - o Caráter indelével - se faz presente. Sendo assim devemos cultivar o que em nós foi plantado.

por: Padre Maurício Ruffier, S.J
considerações: Catequista Adilson.     

Nenhum comentário: