sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Santa Teresinha do Menino Jesus


1 de Outubro

Santa Teresinha do Menino Jesus

Santa Teresa de Lisieux, conhecida por Teresinha do Menino Jesus, é uma das santas mais características por sua espiritualidade.

Seu culto se espalhou em pouco tempo por todos os recantos do mundo católico.

Teresinha nasceu em Alençon, norte da França, aos 2 de janeiro de 1873. Seus pais, quando jovens, aspiravam, ambos, a se consagrarem a Deus na vida religiosa, mas por circunstâncias especiais não foram aceitos. Então a jovem Zélia Guerin, futura mãe de Teresinha, disse: "Meu Jesus, já que não sou digna de ser vossa esposa como irmã, abraçarei o estado matrimonial para cumprir vossa vontade. Peço-vos, porém, encarecidamente, conceder-me muitos filhos e que vos sejam consagrados".

Daquele santo casal nasceram nove filhos. Três faleceram em tenra idade, os demais, todas meninas, tornaram-se religiosas conforme o desejo da mãe.

Teresinha ficou órfã de mãe aos quatro anos e sentiu muito esta falta. O pai, depois da morte da esposa, mudou-se com a família para Lisieux, onde tinha um cunhado cuja esposa zelava pela educação das filhas.

Teresinha cresceu num ambiente de amor puro e de fé profundamente vivencial e, sendo a caçula do lar, era chamada pelo pai "a minha rainhazinha". As irmãs mais velhas, uma após outra, consagraram-se a Deus na vida religiosa. Teresinha alimentava uma santa inveja da opção das irmãs desejando, quanto antes, acompanhá-las na consagração a Deus.

Com a idade de 15 anos, recebeu do Papa Leão XIII a permissão de entrar no Carmelo de Lisieux. Viveu no Carmelo mais oito anos. "Que poderia ter realizado de extraordinário em tão curta existência? Graças a sua autobiografia, com o título História de uma alma, sabemos que a jovem carmelita não fez nada de extraordinário, apenas cumpriu extraordinariamente bem os seus deveres de monja enclausurada. Num momento de entusiasmo, Teresinha escreveu que, por amor ao Amor Supremo, desejava ser cavaleiro das cruzadas, padre, apóstolo, evangelista, missionário, mártir. "Compreendi, escreve, que só o amor fazia agir os membros da Igreja e que se o amor viesse a se extinguir, os apóstolos não anunciariam mais o Evangelho, os mártires recusariam derramar o seu sangue... Compreendi que o amor encerra todas as vocações e que o amor é tudo, abraça todos os tempos e todos os lugares... Numa palavra, o amor é eterno... encontrei minha vocação: o amor!"

Estas palavras poderiam parecer românticas, se não fossem corroboradas pela vida de oração, de sacrifícios, de provações, de penitências e de imolação no dia-a-dia da existência de Teresinha como Carmelita.

Todos os gestos e sacrifícios, do menor ao maior, oferecia a Deus, pela salvação das almas, e na intenção da Igreja. Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face esteve como criança para o pai, livre igual a um brinquedo aos cuidados do Menino Jesus, e tomada pelo Espírito de amor, que a ensinou a pequena via da infância espiritual.

O mais profundo desejo do coração de Teresinha era ter sido missionária "desde a criação do mundo, até a consumação dos séculos". Sua vida nos deixou como proposta, selada na autobiografia, e como intercessora dos missionários sacerdotes e pecadores que não conheciam Jesus, continua ainda hoje, vivendo o Céu, fazendo o bem aos da terra.

Proclamada principal padroeira das missões em 1927, padroeira secundária da França em 1944, e Doutora da Igreja, que nos ensina o caminho da santidade pela humildade em 1997, na data do seu centenário. ela mesma testemunha que a primeira palavra que leu sozinha foi: " céus "; agora a última sua entrada nesta morada, pois exclamou : " meu Deus, eu vos amo...eu vos amo ".




Cronologia resumida
 02/01/1873 às 23:30 hs. nasce Maria Francisca Teresa Martin,

à Rua Sainte-Blaise, 36, hoje 42.

04/01/1873 Batismo na igreja de Nossa Senhora, pelo Pe. Lucien Dumaine. Padrinhos: a irmã mais velha, Marie (13 anos) e Paul Albert Boul (13 anos).

15/03 ou 16/03/1873 Partida para Semallé (Orne), casa de Rosa Taillé,

a fim de ser amamentada.

02/04/1874 Retorna definitivamente para sua casa.

24/12/1876 Sua mãe, Zélia Martin, consulta com Dr. Notta, em Lisieux, a respeito

de seu tumor no seio. Não é mais possível fazer uma cirurgia.

03/04/1877 Aos quatro anos: "Serei religiosa em um claustro".

18 a 23/06/1877 Sra. Martin, Maria, Paulina e Leônia fazem

uma peregrinação a Lourdes

28/08/1877 Morre da Sra. Martin

29/08/1877 Sepultamento da Sra. Martin. Teresa escolhe Paulina

como sua segunda mãe.

15/11/1877 Chegada de Teresa e suas irmãs a Lisieux, aos cuidados do tio Guérin

16/02/1882 Paulina decide ingressar no Carmelo

verão 1882. Fica sabendo da partida próxima de Paulina. Sente-se chamada

ao Carmelo. Fala com Madre Maria de Gonzaga

Outubro 1882 O nome Teresa "do Menino Jesus" lhe é proposto

por Madre Maria de Gonzaga.

13/05/1883 Pentecostes. Sorriso da Virgem, cura repentinamente Teresa.

14/06/1884 Crisma, por Dom Hugonin, bispo de Bayeux, na Abadia.

Madrinha: Leônia, sua irmã.

15/10/1886 Entrada de Maria no Carmelo (Irmã Maria do Sagrado Coração de Jesus)

29/05/1887 Pentescostes. Teresa consegue do pai licença para ingressar

no Carmelo aos quinze anos de idade.

31/10/1887 Visita a Dom Hugonin, em Bayeux, para solicitar ingresso no Carmelo.

20/11/1887 Audiência de Leão XIII. Teresa apresenta seu pedido ao Papa.

09/04/1888 Festa da Anunciação. Entrada de Teresa no Carmelo de Lisieux.

10/01/1889 Tomada de hábito. Última festa para o Sr. Martin. Teresa acrescenta "da Santa Face" ao seu nome religioso.

29/02/1894 Morte do Sr. Martin no Castelo de La Musse (Eure), às 8h e 15m.

Dezembro 1894 Recebe da Madre Inês de Jesus a ordem de escrever suas memórias.

abril 1895 Confidencia a Irmã Teresa de Santo Agostinho: "Morrerei em breve".

Início de abril 1897 Gravemente enferma.

08/07/1897 Teresa desce para a enfermaria.

14/09/1897 Desfolha uma rosa sobre o crucifixo.

30/09/1897 Morte de Teresa, diante da comunidade reunida, por volta das 19h e 20m.

04/10/1897 Sepultamento no Cemitério de Lisieux

30/09/1898 Publicação de 2000 exemplares de "História de uma Alma".

29/04/1923 Beatificação da Irmã Teresa do Menino Jesus por Pio XI.

17/05/1925 Solene Canonização na Basílica de São Pedro, em Roma.

14/12/1927 Proclamada Padroeira Universal das Missões.

03/05/1944 Nomeada Padroeira secundária da França, juntamente com Santa Joana d’Arc.

19/10/1997 Solene Proclamação como Doutora da Igreja, pelo Papa João Paulo II.

30/09/1998 Primeiro Centenário da Publicação de "História de uma Alma".
(Fonte: Obras Completas, Ed. Loyola, 1997, p. 1285-1304).





Nenhum comentário: