quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

O amor de Deus é mais forte do que qualquer mal

Jesus, na sua vida pública, curou muitos doentes, revelndo que Deus quer para o homem a vida, a vida em plenitude. No Evangelho deste Marcos 1, 40-45 nos mostra Jesus em contato com a doença considerada naquele tempo, a mais grave, a ponto de render a pessoa “impura” e de excluí-la das relações sociais: falamos da lepra. Uma legislação especial em Levítico13-14 reservava aos sacerdotes a tarefa de declarar a pessoa leprosa, ou seja, impura; e da mesma maneira cabia ao sacerdote constatar a cura e readmitir o doente curado na vida normal.
Enquanto Jesus andava a anunciar pelos vilarejos da Galileia, um leproso lhe veio ao encontro e lhe disse: “Se queres, tens o poder de curar-me!”.
 Jesus não foge do contato com aquele homem, ao contrário, impulsionado por uma íntima participação à sua condição, estende a mão e o toca – superando a proibição legal – e lhe diz: “Eu quero: fica curado!”. Naquele gesto e naquelas palavras de Cristo está toda a história da salvação. Está encarnada a vontade de Deus de curar-nos, de purificar-nos do mal que desfigura e que arruína as nossas relações. Naquele contato entre as mãos de Jesus e o leproso é abatida toda barreira entre Deus e a impuridade humana, entre o sagrado e o seu oposto, não para negar o mal e a sua força negativa, mas para demonstrar que o amor de Deus é mais forte do que qualquer mal, mesmo aquele mais contagioso e horrível. Jesus tomou sobre si as nossas enfermidades, se fez “leproso” para que nós fôssemos purificados.
Um esplêndido comentário existencial deste Evangelho é a célebre experiência de São Francisco de Assis, que ele reassume no início de seu Testamento: “O Senhor disse a mim, frei Francisco, para começar a fazer penitência assim: quando estava no pecado, me parecia algo muito amargo ver os leprosos; o Senhor mesmo me conduziu entre eles e usou com eles misericórdia. E afastando-me deles, aquilo que me parecia amargo foi transformando-se em docilidade de alma e de corpo . E então, sai do mundo”. Naqueles leprosos, que Francisco encontrou enquanto ainda estava “no pecado”, estava presente Jesus; e quando Francisco se aproximou de um deles, vencendo a própria aversão, o abraçou, Jesus o curou da sua lepra, isto é do seu orgulho, e o converteu ao amor de Deus. Eis a vitória de Cristo, que é a nossa cura profunda e a nossa ressurreição a vida nova!
Papa Bento XVI
Fonte: Zenit

Nenhum comentário: