Alegra-te, Adão!



Alegra-te, Adão, nosso Pai,

e tu, Eva, nossa mãe, exulta mais e mais!

Uma de suas filhas - e que filha! - será motivo de consolação para vós,

sobretudo para ti, que foste a causa da infelicidade, e cuja vergonha recaiu sobre todas as mulheres.

Eis chegada a hora em que esta vergonha será suprimida, apagada;

O homem não mais dirá de sua companheira, desculpando-se, sem jeito, e acusando-a, de forma cruel: "A mulher que puseste junto de mim me deu da árvore, e, do seu fruto, eu comi".


Vamos, Eva! Corra até Maria,
Mãe, corre até a tua filha!
A filha tomará a defesa de sua mãe, fará desaparecer sua vergonha e acalmará seu pai;
Pois, a verdade aqui está:
Se o homem caiu por causa da mulher,
ele só poderá se reerguer por meio da mulher.
Adão, doravante, já não diz: "A mulher que me deste, ofereceu-me o fruto proibido".

Eis o que ele diz:

"A mulher que me deste, alimentou-me com um fruto bendito".

São Bernard de Claraval,
doutor da Igreja