O "Jardim fechado" de Deus

O "jardim fechado" de Deus


Descendo em teu seio e assumindo a tua carne, para nascer, verdadeiramente homem, eu, Deus, vim habitar em meu jardim... Descendo, digo, em teu seio, tornei-me homem, vim habitar o meu jardim. O que existe que não me pertença?

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez. (Jô 1, 1-3). 2 : 8 E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, do lado oriental; e aí colocou o homem que modelara (Gn 2, 8). E tu és o outro jardim, o jardim fechado (Ct 4, 12).

É lógico que o primeiro homem não poderia dizer: "Eu vim habitar o meu jardim". Este primeiro homem, desejo precisar, do qual está escrito "Iahweh Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar (Gn 2, 15). Não foi ele a criar e a plantar o jardim das delícias, e ele tampouco foi criado naquele jardim.

Eu, Deus, ao contrário, fiz o jardim, e nasci neste jardim. Usando outras palavras, fundei a cidade e na cidade nasci, como está na Escritura: " 'Todo homem ali nasceu', e foi o Altíssimo que a firmou. Iahweh inscreve os povos no registro; 'Este homem ali nasceu' tanto os príncipes, como os filhos todos têm sua morada em ti." (Sl 87 (86), 5-6)

De São Rupert de Deutz (+1130)
Comentário do Cântico dos Cânticos,
In Canticum Canticorum 4, 1-6, ccl 26, pp. 69-70